Se você busca por bolsas de estudo no exterior, já deve ter observado que opção é o que não falta. De fato, existem muitos processos seletivos para bolsas, e isso gera uma grande dúvida nos estudantes.

As principais, já sei até decorado: Afinal, para quantas bolsas aplico? Existe um limite máximo que devo respeitar neste momento? Caso você tenha uma dessas dúvidas, leia até o final para entender melhor como proceder.

O que estudar no exterior significa?

Pois bem, antes de falar sobre o número bolsas de estudo no exterior a que você deve aplicar, temos de lembrar o que isto significa, para que você saiba valorizar o que vou falar mais abaixo e que entenda minhas dicas.

  1. Benefícios para a vida profissional

Os benefícios de bolsas de estudo no exterior para o Curriculum Vitae são enormes, e podem fazer todo o diferencial para conseguir ou não uma vaga na empresa onde você pretende trabalhar. Isto o distingue dos demais candidatos.

Além disso, há um ganho até mesmo no conhecimento. Certamente os professores têm, por exemplo, linhas de pesquisa diferentes dos docentes brasileiros. Isto quer dizer que você vai ter perspectivas diferentes sobre sua área e enriquecer seu aprendizado.

  1. Experiência pessoal

Um intercâmbio possibilita conhecer uma nova cultura, um povo diferente. Não só isso, porém. Indo para uma universidade com um modus operandi completamente diferente do seu universo vai trazer novas perspectivas de vida.

Bolsa de Estudos Internacional

Entenda como funcionam as bolsas

Você já deve ter compreendido a importância das bolsas de estudo no exterior. É por esses motivos que elas são tão concorridas. Ou seja, isto significa que você deve se esforçar ao máximo para consegui-las.

Então, chegamos, agora, a uma explicação importante sobre como estes processos costumam funcionar em outros países. Como você vai notar em suas pesquisas, as bolsas de estudo no exterior têm uma certa periodicidade.

Elas costumam ser anuais. Dessa forma, as mesmas bolsas abrem sempre para novos candidatos nas mesmas épocas do ano. A grande vantagem disso, para você, é que essa previsibilidade permite um melhor planejamento.

Digamos, por exemplo, que você deseja ir para o exterior para começar seus estudos em outubro. O que isto significa? Bem, neste caso, a melhor sugestão é que você já deve começar a sua preparação entre janeiro e julho.

É dentro desse período que o edital vai ser lançado e que os candidatos vão ser avaliados. Então, por certo, você tem de estar atento e preparado para fazer a sua aplicação. O quanto antes começar, melhor, como já dissemos em outro post.

O que você pode notar é que a preparação começa um longo tempo antes das aulas. Portanto, fique atento e comece a planejar tudo o que precisa e deve fazer, de acordo com quando você pretende viajar para ter suas aulas.

O exemplo que dei acima, das aulas começando em outubro, é um dos mais comuns. Entretanto, não é sempre assim que funciona. Esteja de olho para as oportunidades que surgirem e saiba aproveitar as que se enquadram nos seus planos.

Afinal, a quantas bolsas devo aplicar?

Meu maior conselho sobre as bolsas de estudo no exterior, para esta publicação, vem agora. Você já notou o quanto elas são importantes e concorridas. Já viu, da mesma forma, que elas são razoavelmente previsíveis quanto à sua abertura.

A quantidade ideal de bolsas a que você deve aplicar é aquela que vai dar uma chance grande de ter sucesso em pelo menos uma. Nada garante que isso vai acontecer, mas as estatísticas mostram que fazer isso aumenta muito as possibilidades.

Esse número, na minha opinião, é por volta de 5 aplicações a bolsas de estudo no exterior. A grande maioria das pessoas que tenta este número tem maior sucesso do que as outras.

Outro detalhe aqui, e sobre o qual também já comentei em postagem anterior, é que cada bolsa é diferente da outra. Isto quer dizer que o seu currículo, a sua carta de motivação e toda a sua aplicação devem ser adaptadas à situação.

Não adianta mandar o mesmo CV a todas. Se fizer isso, a sua chance de ser recusado para a bolsa será muito alta. É preciso saber adaptá-lo àquilo que o edital pede e fornece como principal.

Por isso:

  • Não tente só uma bolsa: se tentar só em uma, há grandes chances de não ser aceito e ver seus planos serem frustrados
  • Não tente dezenas de bolsas de estudo no exterior: você não vai conseguir se preparar bem para todas e nem acompanhá-las direito

Se não deu certo...

Tudo bem, você leu esse post tarde demais e acabou aplicando apenas para uma bolsa? Já deve estar nervoso, pensando “e se não der certo? E se eu não for aprovado?”. Bem, aqui tenho uma boa e uma má notícia.

A boa notícia é que, como salientei lá em cima, as bolsas de estudo no exterior são periódicas, se repetem. Por isso, a mesma bolsa que te recusou hoje pode te aceitar numa próxima vez.

A má notícia é exatamente relacionada a esta próxima vez: como a concessão de bolsas é, na maioria das vezes, anual, somente no próximo ano você poderá aplicar para ela.

Esse motivo demonstra claramente o porquê da estratégia de tentar pelo menos 5 bolsas de estudo no exterior. Você não fica preso a apenas uma e, ao mesmo tempo, pode se dedicar a todas.

Comece o seu planejamento e faça uma lista com as prioritárias, de acordo com o período em que você deseja viajar. Fique atento, então, aos sites que divulgam os processos seletivos das bolsas, para já se adequar ao edital quando abrir.

 

Seguindo estas dicas, você vai ver que suas chances vão aumentar ainda mais.

Se não estiver dando certo, reveja com calma o seu CV, a sua carta de motivação e o que mais foi necessário enviar. Observe onde errou, para depois acertar.

Related posts